Pesquisa em SP descobre genes ativos do enfarte

São Paulo - Uma pesquisa desenvolvida no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia conseguiu descobrir os genes ativos no processo de enfarte cardíaco. Trata-se do primeiro passo para que se faça prevenção do enfarte por intermédio de exames de genética em laboratório, segundo a Secretaria de Estado da Saúde. Dos 25 genes identificados no momento do enfarte pela pesquisa, oito deles são grandes candidatos a serem aplicados na rotina laboratorial, melhorando o diagnóstico dos pacientes. Em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), Universidade de Santiago de Compostela, Instituto Ludwig e Instituto Príncipe Felipe de Valença, a pesquisa mapeou 10 homens que sofreram enfarte, com idade entre 35 e 65 anos, e seis pessoas saudáveis. Dos dez pacientes com enfarte pesquisados, cinco estavam sofrendo o primeiro enfarte e outros cinco estavam com o problema pela segunda vez. A conclusão dos pesquisadores ao cruzar os dados dos dois grupos foi a de que a rede de genes ativada no processo é diferente nos dois casos. A pesquisa, custeada também pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), recebeu uma verba de R$ 300 mil e deve estar totalmente concluída até o ano de 2010, segundo a Secretaria de Saúde.

0 comentários:

Pesquisar no Blog